• Márcio de Avila Palermo

COMO NÃO QUEBRAR NO TRAIL

Quantas vezes você já teve aquela sensação de que “se passou” no ritmo durante uma prova trail run?


Aquele momento que diminuiu o ritmo no plano pra se recuperar de uma subida forçada ou porque tentou acompanhar um(a) outro(a) corredor(a)?


A sua motivação pode ser lazer ou alta performance, apenas concluir ou ser o(a) campeão(ã), para todos esses motivos saber como “não quebrar” é conhecimento básico para que tenha sucesso em seu objetivo.





Estes são erros de ritmo que prejudicam muito sua performance final mas podem ser corrigidos facilmente. Em outras palavras, estou te prometendo diminuir muito as chances de “quebra” se seguir esse conselho.


E como de praxe, serei objetivo.


Controle sua FClimite (Frequência Cardíaca Limite). Somente isso. Tenha consciência que ao ultrapassar essa FC você está entrando em um ritmo que seu corpo não vai sustentar por muito tempo, pois é uma zona de desequilíbrio interno. O mais comum é aparecerem as câimbras.


Em um estudo feito com atletas de ponta da espanha, observou-se que eles sustentavam em média 50 min ritmos acima dessa FClimite. Estamos falando da elite, ou seja, se você ainda não tem esse nível, reduza ainda mais o tempo que você pode sustentar essa intensidade.


Gosto de pensar essa zona acima da FClimite como um TURBO, aquela intensidade que você deve utilizar com inteligência, em momentos específicos da prova como um obstáculo no terreno que exija mais vigor e potência nos movimentos, ou na parte final de uma prova fazendo um “split negativo”, onde vai aumentando o ritmo progressivamente e termina em seu máximo.


A estratégia vai variar de pessoa para pessoa e em relação às diferentes distâncias/durações/objetivos.


A primeira habilidade a ser treinada para quem pretende fazer uma prova de trail é aprender a não quebrar, ou seja, saber dosar os ritmos ao longo da prova para que não ultrapasse essa FC limite. Com isso dominado, ir colocando momentos de mais intensidade conforme sua capacidade de sustentar esse turbo.


O resultado disso, arrisco dizer, seria uma das melhores performances da sua vida.


É isso, não tem segredo.


E como saber a sua FC cardíaca limite é o assunto do próximo post da semana que vem. Assine o blog e fique por dentro de tudo em primeira mão.


Forte abraço

Márcio de Avila Palermo

@marcio.palermo

0 visualização

Segue aí