• Márcio de Avila Palermo

“Tiros” no trail run?

Atualizado: 24 de Out de 2019

Pare de dar “tiros” no meio das provas de trail run.


“Tiros” é a palavra usada para dizer que está num ritmo muito forte, onde normalmente vai aguentar por poucos metros ou quilômetros, e não sustentável por toda a prova.





A orientação mais comum para quem vai fazer sua prova de corrida no asfalto/plano, é que faça em ritmo CONSTANTE, se preservando na primeira metade e, se estiver bem, fazendo uma segunda metade um pouco mais rápida. Com mínima variação de ritmo.


Essa orientação é para que você faça a sua melhor corrida, baseada em limites conhecidos pelo(a) treinador(a).


Há poucos dias atrás, o queniano Eliud Kipchoge bateu o recorde “não oficial” da maratona, foram 42.195m em 1h59min40seg. A estratégia usada se baseou em manter o ritmo constante, praticamente inalterado, durante todo o percurso. Variou entre 2min48seg e 2min52seg à cada km.

Sabido isso, porque é que no trail run, vejo iniciantes e atletas da elite fazendo “tiros” no meio da prova? Será que a estratégia do ritmo constante vale pra bater o recorde no asfalto/plano, mas não vale pra montanha?


Antes que você argumente sobre o fato do terreno trail ser técnico, com subida e descidas, exigindo que esse ritmo seja variado, me permita dizer que você está certo(a).


Mas a sacada aqui é sobre o “esforço interno do organismo” que precisa ser mantido constante para alcançarmos a nossa melhor performance na trilha.


Dessa forma, sabendo que no asfalto/plano se busca a melhor performance deixando o “esforço interno” equilibrado através da velocidade/ritmo constante, deveríamos buscar fazer o mesmo nas trilhas, não acha?


Mas como você mesmo lembrou, o terreno é variado e isso impede de controlar o esforço interno através da velocidade/ritmo. Dessa forma, a alternativa que considero mais acessível e prática para se medir esse “esforço interno” é através da FC (Frequência Cardíaca).


Ou seja…


O objetivo então, seria manter o mais constante/equilibrada possível a FC durante uma prova/treino trail run.


Olhando para o gráfico da FC após uma prova, você veria algo mais linear, com oscilações mínimas, de baixa amplitude.


A imagem abaixo mostra um exemplo de como a FC deve se manter praticamente constante ao longo da prova, mesmo havendo subidas, descidas e planos.



FC se mantendo constante mesmo com terreno irregular

Uma observação importante sobre a FC: nas descidas ela tende a diminuir, por isso, considere normal esse comportamento e evite acelerar o ritmo só pra aumentá-la.


Portanto, para quem está buscando fazer uma prova com mais inteligência e qualidade (alta performance ou lazer), tem a FC como uma grande aliada no controle do ritmo ideal, que vai evitar quebras no início da prova ou no meio de uma subida.


Caso não tenha um relógio com monitor cardíaco, pode se orientar inicialmente pela sua “ofegância” ou frequência respiratória. Sempre que ela estiver ficando muito forte, diminua o ritmo.


O ajuste rápido do ritmo ao terreno com objetivo de manter a FC ou a ofegância constantes é uma forma eficaz de aumentar as suas chances de fazer sua melhor prova.


Testa e depois me conta como foram seus treinos e provas.


Abraço

Márcio Palermo

@marcio.palermo

@trailrunningsports

0 visualização

Segue aí